segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A CEGUEIRA

A ausência de luz provoca em mim a cegueira. Sem nada ver avanço rumo ao futuro com passos incertos, mas decididos.
Como não consigo ver, crio no meu espírito imagens tenebrosas de adamastores monstruosos, plantados nos cabos das tormentas deste imenso oceano em que navego a minha solitária existência.
O monstro empurra-me para o abismo, porem eu luto, porque tenho a obrigação de sobreviver. Nasci para viver! E sonho vencer a besta, passar o Cabo da Boa Esperança e lançar-me sem receio no colo maternal da escuridão plena.
Quis dizer isto. Está dito! Não sei se realmente sinto isto, ou se foi a fingir que o disse.

Sem comentários:

Enviar um comentário